Total de visualizações de página

31 janeiro 2013

Glória da Imortalidade - II - Joanna de Ângelis



GLÓRIA DA IMORTALIDADE - II

 O triunfo da imortalidade do Espírito inicia-se no momento da sua ressurreição após a morte do corpo físico.
 
Despertando na dimensão espiritual e dando-se conta da sobrevivência, o Espírito compreende o significado da existência corporal e faz um balanço das realizações durante toda a jornada, aprofundando os conteúdos felizes daquelas que o enriqueceram de paz e de lucidez, enquanto confere aqueloutras nas quais não logrou o êxito que poderia ter conseguido se houvesse persistido nos sentimentos nobres.
 
Dá-se conta da oportunidade que se lhe apresenta, assim como das infinitas possibilidades de que passa a dispor, caso deseje avançar no rumo da plenitude.
 
Descortina, mediante a reflexão calma e sábia, as bênçãos que o aguardam através das futuras reencarnações e começa a empenhar-se na autopreparação para os futuros empreendimentos libertadores.
 
Indizível alegria invade-o ante a perspectiva de que é possível conseguir a autoiluminação e que tudo quanto produza de bem ou de mal reverte-se em sua própria direção, propiciando-se alegrias inauditas ou desventuras perturbadoras.
 
Mesmo que haja vivenciado a existência de maneira incorreta, agora dispõe de novos recursos para a autorrecuperação, que passa a depender exclusivamente do empenho com que se dedique à conquista dos valores mal-utilizados.
 
Quando, porém, deixou-se intoxicar pelos vapores da soberba e do orgulho, entregando-se aos despautérios nos quais se comprazia, toma conhecimento dos terríveis danos a si próprio infligidos e, não tendo amadurecimento psicológico para compreender a responsabilidade que lhe pesa sobre os ombros, permite-se a revolta e o desespero que mais o atormentam, empurrando-o para as sombras demoradas da perturbação e do desequilíbrio.
 
Cada ser é responsável pelas consequências dos atos que pratica. O seu livre-arbítrio proporciona-lhe a eleição do que considera como digno de respeito, arrastando-o, mesmo quando a contragosto, pelo caminho escolhido, naturalmente assumindo os resultados da atitude infeliz.
 
O Senhor do Universo não aplicaria mais de dois bilhões de anos para que a vida se iniciasse no orbe terrestre até alcançar o nível da razão e do discernimento, da consciência e do saber, se a mesma não tivesse a finalidade sublime da perfeição.
 
Negar-se-Lhe a causalidade é fuga e transferência para a ilusão, na qual se compraz o invigilante, pensando em evadir-se das responsabilidades, sob a vão justificativa da ignorância.
 
Tudo no Cosmo fala de ordem, de equilíbrio, de harmonia, mesmo quando se contempla o aparente caos, que oculta os princípios que o produzem, embora permaneçam desconhecidos.
 
Há, portanto, em tudo e em todos a fatalidade para a glória da imortalidade em permanente triunfo.
 
A vida jamais se extingue, desde quando foi iniciada.
 
O Espírito é criação do amor com o destino da alegria sem limites.
 
*   *   *
       
Enquanto se transita na carne, a memória dos acontecimentos espirituais diminui de intensidade, momentaneamente bloqueada em parte, a fim de não gerar embaraços no processo de crescimento interior.
 
As heranças atávicas dos instintos primários, não poucas vezes, tentam obstaculizar a lucidez do pensamento que aspira por mais altos voos na direção do Infinito.
 
Isso concorre para os equívocos morais lamentáveis e as fixações tormentosas no prazer, que nunca se faz saciado, sempre aspirando a novas sensações proporcionadoras de gozos.
 
Os elevados conceitos de dever e de responsabilidade, invariavelmente cedem lugar aos de direitos e permissões, sem a correspondente contribuição que confere essas ofertas existenciais.
 
As mentes desvairadas pelos tormentos ancestrais, que se encontram fixados nos mapas do processo de crescimento ético-moral, elaboram apressadas, informações diluentes dos sérios compromissos com a realidade, proporcionando comportamentos materialistas, utilitaristas, investindo no aniquilamento do Espírito a partir do fenômeno da morte orgânica.
 
Embora a intuição e as lembranças vagas da imortalidade, da experiência fora do corpo, durante o interregno da desencarnação anterior e da reencarnação atual, o ser irresponsável e presunçoso vitaliza essa conduta aberrante e permite-se apenas o uso da indumentária fisiológica para as satisfações egoístas em que se compraz.
Arrebatado pela desencarnação que a todos alcança, desperta em desvario, procurando o esquecimento absoluto, a ausência de vida, encontrando-a estuante, experimentando, então, uma frustração terrível que o amargura e atormenta.
 
A vida é constituída de valores bons e maus, a depender de como são aplicados por cada criatura, cabendo-lhe a sábia eleição que faculte o resultado da alegria inefável da consciência reta, que permanece fiel aos ditames da ordem e do dever.
 
Por que a uns, a vida exigiria ações dolorosas, fadigas e lutas, enquanto que, a outros concederia somente comodidades e júbilos, numa eleição desigual e absurda?
 
Não existem privilégios nas Soberanas Leis que regem o Universo, todos os seres que nele se encontram estão subalternos aos mesmos códigos morais e responsabilidades espirituais, que permitem as bênçãos dos sorrisos, tanto quanto as dádivas das lágrimas.
 
Vive, portanto, de tal modo que, ao chegar o momento de despedida das vestes corporais, disponhas de recursos para a libertação plena do seu ergástulo que, por um período permitiu-se fruir os meios que proporcionam o estado de paz.
 
Enquanto estejas no corpo, utiliza-o com respeito e desincumbe-te dos deveres que te cabem, porque desencarnarás conduzindo as ações em que te empenhaste e que se constituirão nos recursos indispensáveis para a continuação da jornada.
 
O mesmo ocorre com os familiares e amigos que fazem parte do teu relacionamento, assim como sucede com aqueles que te geraram dificuldades e criaram embaraços existenciais, tornando-se inimigos e perseguidores.
 
Ninguém foge de si mesmo.
 
A glória da ressurreição é o incomparável despertar para a vida em triunfo.
 
*   *   *
 
Dia de finados!
 
Aqueles que são considerados mortos encontram-se vivos em processo de autoavaliação dos próprios atos, ansiosos pela oportunidade de recomeçar e refazer os caminhos mal percorridos.
 
À sua semelhança, aqueles que se empenharam na obra da verdade, também anelam pela felicidade de ajudar e de crescer na direção de Deus, o Amor sem Limites.
 
Ora pelos que desencarnaram e ajuda os Espíritos encarcerados na matéria, que ainda ignoram o destino que os aguarda.
 
(...)E segue em paz, amando e servindo sempre.
 
Joanna de Ângelis  
Página psicografada pelo médium Divaldo Pereira Franco, na
tarde de 11 de agosto de 2012, na residência do Dr. Epaminondas
Corrêa e Silva, em Paramirim, Bahia.

30 janeiro 2013

Novas conquistas aproximam a Ciência da Religião - Bezerra de Menezes


NOVAS CONQUISTAS APROXIMAM A CIÊNCIA DA RELIGIÃO
 
Meus filhos! Que Jesus nos abençoe!
 
Pergunta-se, ante a grandeza dos postulados exarados no Evangelho de Jesus, se é possível vivê-los na atualidade, mantendo a pulcritude dos seus conteúdos.
 
Esclarece-se que os desafios contemporâneos são muitos graves, e os comportamentos humanos variaram desde aquela época até este momento.
 
Apresenta-se a grande problemática do sofrimento coletivo nos transtornos pandêmicos, que sacodem o planeta por meio das criaturas a se debaterem em aflições inenarráveis.
 
Demonstra-se que a ironia e a perversão dos valores ético-morais, com a eleição do erotismo ao posto mais representativo das aspirações imediatas, constituem impedimento à vivência das palavras sublimes de Jesus.
 
Cada época, no entanto, caracteriza-se pelas suas próprias dificuldades e celebriza-se pelas conquistas incomparáveis de natureza intelecto-moral.
 
Não seja de surpreender que a Ciência, através de homens notáveis e mulheres extraordinárias, vem realizando a sua parte missionária, oferecendo ao ser humano melhores condições de vida, longevidade, conforto para alguns e perspectivas de melhores dias para todos.
 
Do ponto de vista filosófico, recordamo-nos que no século XVII grandes filósofos e cientistas, desejando ampliar os horizontes do conhecimento e libertar a Ciência das garras totalitárias das religiões ortodoxas, optaram pela restauração do atomismo grego, abrindo o grande abismo entre Ciência e Religião.
 
Nos séculos que sucederam àquele período, a Ciência pôde, enfim, penetrar nos laboratórios, entender a psique humana, interpretar vários enigmas do Universo nas macro e micropartículas, desenhando extraordinários contributos para o progresso e para a sociedade.
 
Graças ao Espiritismo, na sua feição de ciência experimental, foi possível lançar a primeira ponte sobre o abismo, demonstrando que o resultado máximo da investigação científica é o encontro com a verdade relativa pela linguagem dos fatos e, ao constatar-se a imortalidade da alma, ao confirmar-se a reencarnação nos laboratórios da mediunidade, foi inevitável a aceitação de Deus como causa do Universo.

E, aberto este novo paradigma, a evolução da física quântica chega, na atualidade, a detectar o bóson como assinatura de Deus, enquanto a decodificação do genoma humano propõe a fórmula para se descobrir como Deus gerou a vida.
 
E, a cada dia, novas conquistas aproximam a Ciência da Religião. Porém, a Religião baseada nos fatos, com uma filosofia otimista e uma psicoterapia libertadora da ignorância, essa geratriz dos males que afligem a criatura humana.
 
Vivemos o momento histórico da grande transição, quando se abraçarão a Ciência e a Religião, conduzindo as mentes humanas a Deus e, por consequência, ao amor, ampliando os horizontes da solidariedade para que todas as vidas constituam o ideal proposto por Jesus: o rebanho único e o seu Pastor.
 
Vivemos um momento decisivo para se demonstrar que é possível, sim, viver o Evangelho conforme os apóstolos de Jesus exemplificaram.
 
Certamente, mudaram as circunstâncias, e as exigências do progresso são diferentes, mas os testemunhos que comovem e edificam, que fazem a verdadeira divulgação do Bem, prosseguem assinalando as vidas fiéis ao incomparável Rabi Galileu.

*   *   *
 
Fostes convidados a contribuir neste momento glorioso com o conhecimento que liberta e o amor que edifica.
 
Não seja de estranhar que, muitas vezes, sentireis na alma o aguilhão do testemunho, disfarçado com aspectos diferenciados, mas convidando-vos à confirmação de que sois discípulos do Rabi Galileu que ainda não encontrou no mundo a aceitação que merece.

O Espiritismo, meus filhos, é o próprio pensamento de Jesus retornando ao mundo, que o abandonou, com o fim de poder construir a Era Regeneradora para todas as criaturas.
 
Sede fiéis! Sem qualquer proposta masoquista, pagai o tributo pela honra e a glória de conhecer Jesus. O holocausto hoje é silencioso, discreto e passa despercebido da multidão galhofeira, dos espetáculos circenses e dos quinze minutos tradicionais dos holofotes da ilusão.
 
Assinalados pela mansidão do Cordeiro de Deus, avançai, espargindo luz e felizes pela oportunidade autorredentora, pela conquista da autoconsciência e pela alegria da certeza imortalista.
 
Nestes dias, estabelecestes programas para a vivência do Evangelho dentro dos novos paradigmas da sociedade, não esquecendo nunca que o amor – do qual se origina o perdão, nasce a compaixão e estua a caridade – é a vossa condecoração, para que a imolação no Bem seja o momento culminante das vossas vidas entregues a Jesus.
 
Os espíritos-espíritas, que comungam convosco e aqui estivemos, congratulam-se, todos congratulamo-nos com os ideais que abraçais e com os propósitos firmados de servir, sempre e mais, diminuindo-nos para que o Mestre cresça em vossas, em nossas, na vida de todos.
 
Muita paz, meus filhos!
São os votos do servidor humílimo e paternal de sempre,
 
 
Bezerra
Mensagem psicofônica recebida pelo médium Divaldo Pereira Franco, no encerramento da reunião ordinária do Conselho Federativo Nacional, em Brasília, DF, na manhã de domingo, em 11 de novembro de 2012.
 

29 janeiro 2013

A Caminho do Conhecimento - Raul Franzolin Neto


A CAMINHO DO CONHECIMENTO


O homem em evolução sempre procura o conhecimento como um meio necessário a sua própria existência. Como ser racional ele deixa de seguir a instintos promovidos pelo ambiente onde vive para, com o uso da razão, desenvolver a sua melhor forma de viver. 

A complexidade desse processo permite que tudo ocorra de uma maneira que parece ser sutil, simples e ao acaso. Somente é possível enxergar uma pequena luz desse processo se for analisado com base na evolução do espírito. 

Evidentemente os diferentes graus evolutivos de cada ser humano, promovem as diferentes formas de busca do conhecimento conforme a necessidade de cada um. Na sobrevivência num meio hostil, adquirem-se os conhecimentos imprescindíveis a continuidade da vida. 

Toda doença tem sua cura graças ao conhecimento adquirido em seu devido tempo, mas novos desafios aparecem indefinidamente, caso contrário, a busca do conhecimento nessa área seria desnecessária. 

A necessidade da nutrição para sobrevivência do corpo, faz com que o homem caminhe no avanço tecnológico em busca da quantidade de alimento para a manutenção da vida no planeta. 

Da mesma forma, observa-se a necessidade da busca do conhecimento em todas as áreas de atuação da vida no homem na Terra. E no comportamento individual e convivência do homem em sociedade?

O conhecimento é fruto da evolução individual de cada pessoa. Assim, ele é gerado de acordo com que cada um deseja no momento. 

Se um indivíduo tem sede e necessita de água, ele terá que beber de alguma forma, mas muitos sabem que uma água limpa e potável é melhor do que uma água suja e poluída. 

A evolução de bens materiais também ocorre conforme as necessidades e o desejo de cada indivíduo.

Vamos analisar a vida sob três tipos básicos evolutivos. Para uns a vontade predomina sobre a razão em todos os sentidos e a vida parece caminhar como uma máquina programada para executar um serviço. Vive-se assim conforme caminha a vida geral da comunidade. As pessoas agem individualmente e raramente ela se preocupa com o próximo. 

Reza-se para não aparecer dificuldades e faz-se tudo da maneira mais simples possível evitando o aparecimento de qualquer problema ao seu lado. Entretanto, as dificuldades estão presentes constantemente e promovem sofrimentos que parecem perpetuar eternamente. 

São pessoas incapazes de enfrentar uma competição para uma sobrevivência melhor. Acomodam-se passando longo tempo praticamente no mesmo ponto. Tem medo até de pensar, ou seja, de usar a própria razão. A fé é quase sempre inquestionável. 

Confia em Deus ou em Entidades Superiores e aguarda passivamente o seu destino. As pessoas que vivem dessa maneira têm muita dificuldade em competir pela própria sobrevivência e vivem em constante alerta intuitivo.

Os indivíduos que vivem num segundo tipo evolutivo, buscam o conhecimento da verdade através da certeza de que somente a honestidade ou a forma de vida em comunidade sem prejudicar ninguém é o caminho correto a se seguir. Não há o comodismo, luta pela sobrevivência questionando sempre o papel do próximo. 

O homem deve desenvolver o seu potencial para ter o direito de viver em sociedade. Aqueles que não procuram viver com seus próprios passos, devem ser excluídos, pois não se pode admitir que um trabalhe mais em favor de outro que tem a mesma possibilidade de trabalho. 

A competitividade é marca definida nessa sociedade. Vive-se com conforto satisfatório ao padrão local. 

O conhecimento é uma busca constante em favor do maior conforto material, evitando os sofrimentos provocados pelo meio onde vivem. Mas o meio age sempre em ação de novos desafios, promovendo um círculo vicioso. 

Por exemplo, conhece-se a cura de uma doença e surge outra com características intrínsecas apropriadas com um novo grau de dificuldade para solução. 

Constroem-se locais mais confortáveis em detrimento da natureza e a própria natureza se modifica lançando novos desafios para se manter adequados. Da mesma forma, a fé é inquestionável e o único obstáculo para a reflexão coletiva é o medo da morte e a possibilidade de um julgamento desfavorável permitindo a sua vida em um local pior do que a que possui no momento.

No último tipo, os indivíduos nunca estão satisfeitos com o que são e buscam o conhecimento da verdade a qualquer custo. A vida parece ser momentânea e há uma preocupação maior não com o estado individual das coisas e sim com a satisfação pessoal em ver a vida como um todo em harmonia. 

A sua individualidade é considerada como essencial para o Espírito, ou seja, a sua vontade própria é fundamental para a liberdade de pensamento. A competitividade existe mas com respeito ao próximo, inclusive sacrificando-se em determinadas situações. 

O conforto deve ser fruto do seu trabalho mas preocupa-se com a necessidade geral onde vive. A fé é questionável e a razão é a linha mestra de toda a sua conduta, pois confia na racionalidade do homem como um dos mais fortes meios em favor da vida. 

A razão é considerada como dádiva de Deus, ou se não, caminha em busca de outra forma de pensamento e nada é aceito sem o crivo da sua própria razão.

Inúmeras outras variáveis certamente existem entre esses três tipos de pessoas. Mas o que isso importa? A procura da verdade é imprescindível a uma vida alegre e feliz.

O homem a caminho da verdade segue ao lado da CIÊNCIA e a medida que o planeta evolui, a ciência desperta novos interesses anteriormente desnecessários. 

O terceiro milênio será o marco de grandes avanços da ciência em relação a verdadeira fonte de conhecimentos necessários a evolução do homem. Dogmas e fé cega cairão por terra e a caracterização da verdadeira vida, que é a do plano espiritual, despertará os grandes temas científicos. 

O conhecimento do Espírito, a vida após a morte, a vida antes da vida terrena, a vida em outros planetas, as fontes energéticas a serviço do homem e da natureza, a atuação da medicina na auto-cura de doenças, a comunicabilidade entre as diferentes formas de vida existentes no universo, o auto-conhecimento e as relações de sociabilidade, etc., serão os temas prediletos do conhecimento científico.

Nessa procura constante do conhecimento, é importante que tomemos iniciativas a favor de uma vida melhor. Por analogia podemos dizer que um grande campeão de xadrez é capaz de derrotar qualquer iniciante facilmente. Mas para se jogar bem é preciso conhecer o jogo e aprender suas regras. Depois gostar de jogar e começar a praticar e quanto mais se praticar maior será a habilidade do jogador. 

Chegará um ponto que ele não consegue derrotar outros adversários, mas aí todos os seus concorrentes atingiram um verdadeiro estágio de superioridade no jogo em que o prazer de jogar é plenamente compartilhado com novas idéias e como passou a amar o jogo de xadrez ele passa a admirar, respeitar e incentivar todos aqueles que querem ser um grande jogador de xadrez. Sabe-se que atropelamentos e desonestidade não levam o jogador para frente, pois ele chegará num ponto e permanecerá por muito tempo. 

Ao contrário, o amor ao jogo, a dedicação, a disciplina, a paciência e o respeito são virtudes imprescindíveis ao bom desempenho do jogador. Assim, precisamos bem compreender as regras da VIDA para podermos viver cada vez melhor. 

O espiritismo, numa linguagem atualizada de Jesus Cristo e de outros importantes pensadores que já passaram pela Terra, nos mostra as regras básicas e nos incentiva a praticá-las nesta reencarnação. A reflexão, uma dádiva Divina, é o nosso maior técnico e novos conhecimentos surgirão conforme novas necessidades evolutivas.

Resta-nos agora duas perguntas para reflexão de cada um. Em que ponto da caminhada evolutiva você está no momento? O que você espera daqui para frente?...

Por Raul Franzolin Neto
Publicado no Boletim GEAE 
Número 295 de 2 de junho de 1998

28 janeiro 2013

Valorização Perniciosa - Orson Peter Carrara


VALORIZAÇÃO PERNICIOSA

               Infelizmente temos visto, especialmente pelos meios virtuais, uma supervalorização de aspectos perfeitamente dispensáveis da divulgação espírita. São ataques e críticas a médiuns e pessoas, a instituições, a ideias e uma atenção muito especial para aspectos sombrios e negativos de nossa condição humana, com toda a gama de imperfeição que carregamos, desfocando o objetivo principal do Espiritismo: exatamente nossa melhora moral.

               Fico perguntando por que dar tanto valor a quem está equivocado – aprendamos a respeitar os estágios e degraus de cada um no entendimento da proposta espírita – e tenta a todo custo denegrir médiuns e ideias, esquecendo que nosso compromisso principal é destacar os caminhos do progresso e da evolução.

               Claro que ninguém está pregando aqui a omissão ou a indiferença aos descaminhos que se multiplicam diariamente por ausência de conhecimento doutrinário, com práticas distorcidas e distantes do Espiritismo. É preciso, lógico, esclarecer as coisas. Só que o que está ocorrendo é que na ânsia de esclarecer estamos virando combatentes uns dos outros, esquecendo o objetivo primordial da presença do Espiritismo no planeta, que é exatamente, repetimos, nossa evolução moral.

               Com a energia despendida em combater, perdemos o foco, e nos perdemos na prática salutar de atividades que motivem a criatura humana a despertar das carências próprias que todos carregamos. Saturados da prepotência e da vaidade – erro singular – de nos considerarmos dominadores e sábios nesse ou naquele setor da vasta e inesgotável literatura espírita, iludimo-nos com suposta sabedoria que denigre e ataca companheiros que, certos ou errados, não nos cabe julgar. Afinal o tempo colocará cada um de nós no seu devido lugar.

               Já se sabe que cada um responderá pelo que faz. Não temos que ficar respondendo pelos outros ou tentando diminuir esforços alheios. Os degraus de amadurecimento são muito variados em tamanho, espessura, dimensão e tempo de permanência em cada um deles. Devemos, isso sim, aprender com a experiência alheia, ao invés dos exaustivos combates. Estamos transformando o movimento espírita numa guerra sem fundamentos.

               Nosso compromisso é com o Espiritismo e não com ideias que não lhe dizem respeito. Se outros adotam tais posturas, o problema não é nosso, é deles, que aprenderão com as próprias experiências. Nosso dever é respeitar o Espiritismo por meio do movimento que o representa e mais, particularmente, com as instituições em que participamos.

               Por outro lado, para mudar esse estado lamentável de ocorrências, não nos omitamos. Coloquemos nosso esforço no movimento espírita com palestras esclarecedoras e principalmente libertadoras, ao invés de criarmos condicionamentos perfeitamente dispensáveis.

               Muitas inserções na prática espírita são incoerentes com o conteúdo doutrinário do Espiritismo, por ausência de reflexão sadia. Daí a necessidade de valorizar os clássicos da literatura espírita, estes sim capazes do esclarecimento que norteia. Uns surgem com a descabida teoria do Kardec ultrapassado, outros querem inserir práticas estranhas, outros sofrem de inveja e ciúme com o destaque alheio, outros ficam a atacar médiuns e pessoas. Para quê? A que isso levará? 

               Isso tudo é muito pernicioso pois rouba o tempo que deveria ser dedicado ao esclarecimento saudável e ao socorro à imensa gama de necessidades humanas. Desviar tais esforços pode ser classificado de crime lesa-humanidade pois que ele representa autêntica falta de caridade. Pernicioso porque semeia inverdades, cultiva vaidades, faz escolas despreparadas e vaidosas, combatentes por orgulho, e impede ou adia a instalação do reino de paz e amor desejada pelo Mestre da humanidade. Nosso dever é com o bem!

               Por oportuno à abordagem, selecionei algumas frases de Emmanuel, retiradas de seu fabuloso Vinha de luz, edição FEB:

a)      “(...) Quem ama, compreende; e quem compreende, trabalha pelo mundo melhor.” (último parágrafo do capítulo 5);

b)      “(...) Não roubes o pão da vida; procura multiplicá-lo.” (idem, capítulo 6);

c)      “(...) a marca do Cristo é, fundamentalmente, aquela do sacrifício de si mesmo para o bem de todos.” (idem, capítulo 8);

E, finalmente, para concluir: “(...) Todos podem transmitir recados espirituais, doutrinar irmãos e investigar a fenomenologia, mas para imantar corações em Jesus Cristo é indispensável sejamos fiéis servidores do bem, trazendo o cérebro repleto de inspiração superior e o coração inflamado na fé viva. (...)”.

Tratemos, pois, de colocar à disposição do público o manjar agradável e salutar dos clássicos do Espiritismo, do conhecimento genuíno apresentado pela Codificação, ao invés de fomentarmos o veneno da discórdia e da vaidade, infrutíferas por si mesmas.

Afinal o que desejamos? A prisão das imperfeições morais, a ilusão das conquistas subjetivas ou a liberdade do conhecimento que esclarece?  É para pensar...


Orson Peter Carrara

27 janeiro 2013

Tentações Afetivas - Joanna de Ângelis


TENTAÇÕES AFETIVAS

Essa busca irrefreável de afeto que te plenifique, conduz-te ao abismo da loucura.

Tal ansiedade por encontrar quem te compreenda e apóie, oferecendo-te segurança integral, empurra-te para os precipícios dos vícios dissolventes.

A pressa de encontrar quem esteja disposto a doar-te ternura, afasta os corações que pretendem ajudar-te, porque em faixa afetiva diferente eles se te afeiçoam em espírito, enquanto vibras outra forma de necessidade. 

A insatisfação, face ao muito que desfrutas, gera em ti distúrbio lamentável de comportamento, que ameaça a tua vida.

O que falta, a qualquer pessoa, é resultado do seu mau uso em oportunidade transata.

Carência de hoje, foi desperdício de ontem.

Ninguém há, que se encontre, na Terra, completo e realizado.

Na área da afetividade, a cada momento defrontamos amores eternos que depois se convertem em pesadelos de ódio e crime.

Muitas promessas "para toda a vida", às vezes, duram uma emoção desgastante e frustradoras.

Sorrisos e abraços, júbilos infindos de um momento, tornam-se, sem motivo aparente, carantonhas de rancor, agressões violentas e amarguras sem nome.

Tudo, no mundo corporal, é transitório, forma de aprendizagem para vivências duradouras, posteriormente.

Assim, evita sonhar, acalentando esperanças absurdas, nas quais pretendes submeter os outros aos teus caprichos pessoais, que também passarão com rapidez.

O que agora te parece importante, mais tarde estará em condição secundária.

Ontem aspiraste determinada conquista que, lograda, hoje não te diz mais nada.

Se desejas o amor de plenitude, canaliza as tuas forças para a caridade, transformando as tuas ansiedades em bem-estar noutros muito mais necessitados do que tu.

Não desvies a tônica da tua afetividade, colocando sentimentos imediatistas, que te deixarão ressaibos de desgostos e travos de fel.

A outra, a pessoa que, por enquanto, consideras perfeita e capaz de completar-te, é tão necessitada quanto o és tu.

Na ilusão, adornas-lhe o caráter, para descobrir, mais tarde, o ledo engano.

Conserva puro o teu afeto em relação ao próximo e não te facultes sonhos e fantasias.

Aquilo que mereces e de que necessitas, chegará no seu momento próprio.

Reencarnaste para aprender e preparar o futuro, não para fruir e viver em felicidade que ainda não podes desfrutar.

Cuidado, portanto, com as aspirações-tentações, que se podem converter em sombras na mente e em sofrimentos incontáveis para o coração.

Afirmou Jesus, que os Seus "discípulos sriam conhecidos por muito se amarem", sem que convertessem esse sentimento-luz em grilhão-treva de paixão.

Autor: Joanna de Ângelis 
Psicografia de Divaldo Franco 
Do livro: Vigilância 

26 janeiro 2013

Divulgação pelo Atos - Joanna de Ângelis


Divulgação pelos Atos

O verbo flamívomo e arrebatador entretecerá considerações incomparáveis a respeito do Bem; no entanto, será o exemplo silencioso de renúncia e de dedicação que cimentará o trabalho de edificação enobrecedora.

Páginas brilhantes serão escritas a respeito da excelência do Evangelho; todavia, a conduta equilibrada do indivíduo demonstrá-la-á com segurança, abrindo espaço para a fraternidade e o amor.

Conceituações claras, carregadas de lógica e de bom senso, serão apresentadas às assembléias atentas; entretanto, o comportamento do expositor representará o peso mais importante para selar a legitimidade dos enunciados.

Debates vigorosos conseguirão demonstrar a pujança da palavra de Jesus e a racionalidade de Allan Kardec; mas, a ação da caridade, e somente ela, confirmará o seu elevado conteúdo.

Todos os textos elaborados com inteligência sobre o Espiritismo conseguem despertar o interesse dos neófitos; porém, será sempre a lição viva de gentileza e paciência que lhe demonstrará a irrestrita confiança em Deus, que todos devem manter.

Os cursos de esclarecimento e as técnicas de ensino aplicados à divulgação do pensamento espírita têm o poder de orientar e despertar consciências; todavia, a vivência desses postulados pelos que os enunciam, demonstrará que são portadores de força moral transformadora.

A humanidade tem conhecido admiráveis oradores e hábeis, quão cultos escritores, sofistas e silogistas bem equipados mentalmente, pensadores eméritos, que vêm apresentando teses revolucionárias e propostas salvacionistas, roteiros de libertação e fórmulas de engrandecimento moral; no entanto, o tempo os tem esboroado, porque os seus autores apenas ensinaram, instruíram, propuseram, mas não se impregnaram deles, a que tanto se referiam, sucumbindo no desespero... 

É lamentável que muitos homens e mulheres, aparentemente convencidos da imortalidade do Espírito e da vida futura, ajam e comportem-se de maneira totalmente contrária...

Agridem-se, espezinham-se e aos demais, censurando, amaldiçoando, hostilizando-se reciprocamente em atitudes infelizes que desmentem as palavras que direcionam aos outros em nome da Doutrina que dizem esposar.

São ainda características da natureza humana a dubiedade, como também a dicotomia entre a palavra e a ação, o ensinamento e a conduta, o que vem dificultando o progresso de cada qual e da humanidade em geral.

Quem encontra o Mestre e reflexiona nos Seus ensinos, não mais age como antes.

Jesus é um divisor de águas e de condutas.

Ninguém pode permanecer indiferente ao Seu mimetismo, à Sua penetração emocional.

O Espiritismo, restaurando-Lhe o pensamento e atualizando-o, é poderosoagente transformador, que modifica o ser em profundidade.

Vivê-lo sem retoques, trabalhando-se sem cessar, constituem o desafio do momento para todo aquele que travou contacto com a sua lição libertadora.

Enquanto permaneça a diferença no nível científico-tecnológico com o moral, o adepto do Espiritismo se tornará o exemplo que define a eloqüência da suaconvicção, face aos postulados abraçados.

Divulgação pelos atos é a palavra de ordem no báratro dos conceitos estúrdios e das doutrinas confusas que pretendem retratar Jesus e solucionar os problemas humanos, desequipados da lógica e da razão, incapazes de
enfrentar o bom senso e a experimentação científica.


Autor: Joanna de Ângelis
Psicografia de Divaldo Franco
Livro Fonte de Luz 


25 janeiro 2013

Mudança de Rumo - Um Irmão de Luz


MUDANÇA DE RUMO

Quando nos preparamos para a esta vida voltar, expectativas, promessas, acertos nos envolvem, nos estimulam, nos enchem de certezas. 

Quando aqui chegamos e a nossa luta se inicia, iniciam-se também o nosso livre arbítrio, os nossos temores, as incertezas e, principalmente, o acomodamento à rotina, aos costumes, à vivência falha e cheia de ilusões que por nós espera, aqui na Terra. 

Então, tudo a que nos propusemos, começa a ruir, a se complicar. 

Vivemos o nosso dia-a-dia como pessoas sem passado, sem compromissos, almejando sempre um futuro brilhante, feliz e, se possível, com grandes realizações emocionais, financeiras e profissionais. 

Então, esta falta de cumprimento dos princípios a que nos propusemos, leva o nosso planeta ao desequilíbrio. 

Violência, irmãos lutando entre si por divergências religiosas, apropriação de espaços, conquistas, poder em nome de leis absurdas, criadas pelo homem sem nenhum discernimento, ou somente com uma pequena dose de inspiração ou intuição do amor de Deus. 

Falhamos, falhamos sempre. Ao acertarmos a nossa vinda, ao não cumprirmos o acertado e ao contribuirmos para o caos que se instala entre nós. 

Que podemos esperar então na nossa volta ao mundo espiritual? Que conseqüências teremos que enfrentar? Quais serão as oportunidades de um retorno mais feliz, menos sofrido? Nada, nenhuma. 

Reflitamos. Aproveitemos, nós que temos o conhecimento e o apoio da espiritualidade. Trabalhemos, reformemo-nos, cresçamos, equilibremo-nos enquanto encarnados para um mundo melhor. 

Autor: Um Irmão de Luz
Psicografia de Chico Xavier 

24 janeiro 2013

 

O RENASCER

Normalmente discutimos as questões referentes ao renascimento corporal, entrelaçando esse ou aquele argumento, perpassando impressões e casos vários, probatórios, donosso conhecimento.

O renascimento do corpo, todavia, reclama o nosso esforço, no sentido de refazer aprópria romagem, utilizando-nos das felizes lições que a Doutrina do Consolador vem-nosapresentando, há tanto tempo.

Renascer em nova indumentária fisiológica é reencarnar. Muito embora o peso que o termo deixa transparecer para alguns, não resta dúvida de que, sendo lei divina, todos nela estamos incursos. Os que crêem na ação dessa lei quanto os que não a admitem, todos estamos
sujeitos ao seu comando.

O ressurgimento no corpo, concitando-nos à mudança de posicionamento ético em fase das vivências que empreendemos, torna necessária a observação das recomendações ou dos lembretes que nos chegam por meio da mostragem dos que estão lacrimosos, sofridos e marcados por rudes expiações no mundo, junto a tantos que remoem amarguras de aparência interminável.

Mas, ao lado disso, verificamos os que se gloriam no trabalho são e afanoso, contínuo e feliz, na expansão das alegrias e da esperança, do amor e do bem, na trajetória dos seus dias.

Acompanhemos esses quadros, a fim de fazermos nossa própria escolha, uma vez que sabemos que a colheita que se faz agora não passa do resultado da sementeira efetuada por nós mesmos,
em outra ocasião...

Ante a benção do renascimento em que você está matriculado, não desdenhe as experiências que o alcançam, convocando-lhe ao serviço para o encontro com Jesus, nosso Senhor.

Trabalhe e aprimore-se. Aprimore-se e sirva. Sirva e passe, fazendo luz a sua volta, clareando a sua reencarnação, renascendo também em espírito, assemelhando-se ao Criador pelo amor
que espalhe.
 
Obra: Rosângela
Raul Teixeira 

23 janeiro 2013

A Vontade - Momento Espírita


A VONTADE

As causas da felicidade não se acham em lugares determinados do espaço.

Elas estão em nós, nas profundezas da alma.

O Reino dos Céus está dentro de vós, disse o Cristo.

Tal premissa é confirmada por várias outras doutrinas.

É na vida íntima, no desabrochar de nossas faculdades, de nossas virtudes, que está o manancial das felicidades futuras.

Olhemos atentamente para o fundo de nós mesmos.

Fechemos, por alguns instantes, nosso entendimento às coisas externas.

Depois de havermos habituado nossos sentidos ao silêncio, seremos capazes de ouvir vozes fortificantes e consoladoras.

As vozes de nossas próprias consciências.

Há poucos homens que sabem ouvir seus próprios pensamentos.

Raros são aqueles capazes de reconhecer e explorar os próprios potenciais.

Geralmente alguns de nós gastamos a vida em coisas banais, improdutivas.

Percorremos o caminho da existência sem nada saber a respeito de nós mesmos, de nossas riquezas íntimas.
E então nos perguntamos: Como poderemos nos valer das nossas capacidades, orientando-as para um ideal elevado?

Pela vontade!

É através dela que dirigimos nossos pensamentos para um alvo determinado.

Na maior parte dos homens os pensamentos flutuam sem cessar.

Sua mobilidade constante e sua variedade infinita oferecem pequeno acesso às influências superiores.

É preciso saber concentrar-se, colocando o pensamento em sintonia com o Pensamento Divino.

Só assim a alma humana poderá ser envolvida pelo Espírito Divino, tornando-a, dessa forma, apta para realizar nobres tarefas.

A vontade é a maior de todas as potências e seu poder é ilimitado.

Sua ação é comparável a de um ímã.

O homem, consciente de si mesmo e de seus recursos latentes, sente crescerem suas forças na razão dos esforços que desenvolve em determinado sentido.

Sabe que, tudo o que de bem e bom desejar há, de mais cedo ou mais tarde, realizar-se, nesta ou em existências futuras, quando seu pensamento estiver de acordo com as Leis Divinas.

* * *

Como é belo e consolador poder dizer: Conheço a grandeza e a força que habitam em mim.

Elas hão de ser meu amparo e minha certeza, em todos os instantes de minha vida.

Com o auxílio de Deus e dos benfeitores espirituais, hei de elevar-me acima de todas as dificuldades.

Vencerei o mal que ainda há em mim.

Abrirei mão de tudo o que me acorrenta às coisas grosseiras deste mundo, para levantar vôo em direção a estágios mais felizes.

Vejo claramente o longo caminho a ser percorrido.

Nada, porém, poderá me impedir de prosseguir nessa estrada.

Tenho um guia seguro para me enobrecer e me elevar, que é a vontade.

Hei de conservar-me firme e inabalável, sempre em frente.

Com minha vontade conquistarei a plenitude da existência.

 Farei de mim uma criatura melhor.

Para isso, basta que eu queira alcançar toda essa ventura com energia e com constância.

E diga, para mim mesmo, conclamando-me à elevação e à marcha, apressando-me, assim, para a conquista de meu próprio destino: a felicidade verdadeira.


Redação do Momento Espírita, com base no cap.XX, 3ª parte, do livro O problema do ser, do destino e da dor, de Léon Denis, ed. Feb.

22 janeiro 2013

Diante da Perfeição - Emmanuel


DIANTE DA PERFEIÇÃO 

“Sede perfeitos como Nosso Pai Celestial!”

Esta foi a advertência do Senhor ao nosso coração de aprendizes. Todavia, à maneira do verme, contemplando a estrela longínqua, sabemos quão imensa é a distância que nos separa da meta.

Impedimentos, compromissos e inibições fluem do nosso “ontem”, asfixiando-nos, a cada momento de hoje, o anseio de movimentação para a luz.

Entretanto, se ainda nos situamos tão longe do justo aprimoramento que nos integrará na magnificência divina, é imperioso começar a grande romagem, oferecendo ao avanço as melhores forças.

Ninguém exige sejas de imediato o paradigma do amor que o Mestre nos legou, mas podes ser, desde agora, o cultor da compreensão e da gentileza dentro da própria casa.

Ninguém te pede a renúncia integral aos bens que te enriquecem os dias terrestres, no entanto, podes doar, de improviso, a migalha de que te sobre ao conforto doméstico, em auxílio ao companheiro necessitado.

Ninguém esperas desempenhes, ainda hoje, o papel de herói na praça pública, mas podes calar, sem detença, a palavra escura ou amargosa capaz de emergir de teu coração para os lábios.

Ninguém aguarda sejas o remédio para todas as doenças, entretanto, ainda hoje, podes ser a enfermagem diligente, balsamizando as úlceras dos enfermos relegados ao abandono.

Ninguém te solicita prodígios, em manifestações prematuras de fé, mas podes ser, sem delonga, o reconforto que ampare a quantos atravessam as sarças do caminho.

Lembra a semente que te regala o corpo e aprendamos a começar.

A planta que era ontem simples promessa, hoje é garantia do pão que te supre a mesa. As maiores e mais famosas viagens iniciam-se de um passo.

Esforcemo-nos por fazer o melhor ao nosso alcance, desde agora, e a perfeição ser-nos-á, um dia, preciosa fonte de bênções, descortinando-nos o porvir. 

Pelo Espírito Emmanuel
Do livro: Nascer e Renascer
Médium: Francisco Cândido Xavier