Total de visualizações de página

31 março 2016

Não basta envernizar a corrupção, é urgente extingui-la - Jorge Hessen

 
NÃO BASTA ENVERNIZAR A CORRUPÇÃO, É URGENTE EXTINGUI-LA


Por mais respeitáveis sejam as organizações sociais ou programas sociais de governo, se os militantes e governantes não se identificam com a probidade, falseá-las-ão e lhes desnaturarão o objetivo para explorá-los em proveito próprio. Quando os governantes forem honrados e íntegros moralmente, farão boas instituições e elas serão duráveis, porque todos terão interesse em sua conservação. Segundo Allan Kardec “a questão social não tem o seu ponto de partida na forma de tal ou tal instituição; está inteiramente no aperfeiçoamento moral dos indivíduos e do povo. Aí está o princípio, a verdadeira chave da felicidade da sociedade, porque então os homens não pensarão mais em se prejudicarem uns aos outros. Não basta colocar um verniz sobre a corrupção, é preciso extingui-la”. [1]

Nessas reflexões de Rivail comentaremos sobre a célebre “Operação Lava Jato” que desvendou aos olhos dos brasileiros um esquema de lavagem de dinheiro que movimentou bilhões de reais (algo acima de R$ 40 bilhões, dos quais R$ 10 bilhões em “propinas”) . É considerado pela Polícia Federal como a maior investigação de corrupção da história do país. Os inquéritos estão provocando uma “revolução” na sociedade brasileira e têm sido muito bem conduzidos por aguerridos patriotas, sóbrios e incorruptíveis. As sentenças têm sido decisivas e vão alcançando altos executivos, alguns já condenados a passar 15 ou 20 anos na prisão.

Há mais de uma década, na cidade mexicana de Mérida, mais de 110 países assinaram a Convenção Nações Unidas contra a Corrupção. [2] O referido acordo prevê a cooperação para a recuperação de somas de dinheiro desviado dos países e a criminalização do suborno, lavagem de dinheiro e outros atos de putrefação da honra. Não é com alegria que vemos no Brasil a improbidade, a falcatrua, a propina com o status de “normalidade” arruinando econômica, política e socialmente toda uma nação. 

Temos observado a crise que desafia o bom ânimo do povo em face dessa enxurrada de denúncias de crimes ao erário público. Em razão disso, brotou no cenário brasileiro uma espécie de escárnio das massas, ganhando preciosos espaços o frisson coletivo e paradoxalmente a omissão generalizada. Em contrapartida , diante das recentes e inovadoras penalidades aplicadas estamos atravessando o apogeu de um ciclo esperançoso de transformação visceral que tem atingido afirmativamente a população.

O Brasil passa por processo de profunda transição. Sem sombra de dúvida há uma intervenção de Jesus em nossa Pátria, apontando para um amanhã próspero em favor do povo. Nesses novos tempos, muitos Espíritos rebeldes ainda estão tendo oportunidade de escolher viver o bem ou o mal. No livro “O Céu e o Inferno”, Allan Kardec reporta-se a Espíritos comprometidos com o erro, o vício, o crime, a desonestidade, enquanto encarnados. Inúmeros deles descrevem, em manifestações mediúnicas, seus tormentos morais, piche fervente em suas consciências, reunidos, por afinidade, em correspondência à natureza de seus crimes, em tenebrosos vales de sofrimento. [3]

Os que permanecerem no mal, não reencarnarão mais na Terra e após rigorosa seleção dos valores morais serão expurgados para outras instâncias planetárias. Nesse processo da separação do joio e do trigo, dessa filtragem espiritual, não mais depararemos com a violência, com os escândalos, com a ironia, com o cinismo, com a mentira, com a corrupção.

Ainda assim, os figurantes (massa de manobra) da desordem reagirão, bradando por confrontos entre classes sociais, falarão de paz, de justiça social como armas para a agressão entre compatriotas. Entretanto Jesus permanecerá com a rédeas nas mãos e no comando do povo e a vitória será do Evangelho. Não por acaso consta na composição do hino nacional o fragmento “se ergues da justiça a clava forte, verás que um filho teu não foge à luta”. Sim, os legítimos representantes da pátria “verde e amarelo” não abdicarão da luta pela probidade, pelo decoro, pela liberdade e pela honra. Hoje mais do que nunca, o povo caminha no rumo seguro da vitória sobre o mal e os maus. Ante a Lei de Causa e Efeito os pervertidos pela corrupção (sejam aves de rapina ou acintosas serpentes) serão condenados (mormente os que ainda não foram punidos) para o bem de todos e felicidade geral da Nação.

O Espiritismo auxiliará eficazmente nas reconstruções de ordem sociopolítica e econômica, porque propõe a substituição dos impulsos antigos do egoísmo pelos da fraternidade universal. O Codificador faz menção, em Obras Póstumas, sobre o regime político que deverá vigorar no futuro, ou seja, a aristocracia intelecto-moral. Sim! Aristocracia – do grego aristos (melhor) e cracia (poder) significa poder dos melhores. Poder dos melhores implica que os governantes tenham dado uma direção moral às suas inteligências. [4] Com base nas lições de Jesus, na questão 919 d’O Livro dos Espíritos, os Benfeitores informam que a perfeição moral só se alcança com a prática do bem, sacrificando-se o interesse pessoal em benefício do semelhante, de modo abnegativo, sem esperar recompensas.[5]

Ora, os filhos do Brasil não podem se ajoelhar diante da putrefação moral e da corrupção que deteriora a estabilidade da sociedade. Urge orar, solicitar a Jesus pedindo-lhe que interceda a favor dos bons cidadãos (juízes, delegados, agentes policiais, advogados, procuradores, jornalistas, religiosos e outros) e das futuras gerações de brasileirinhos. O cidadão do futuro se forma no presente. Um país de justiça e liberdade se constrói com lealdade, honradez, amor e muito trabalho.


Jorge Hessen


Referências bibliográficas:

[1] Kardec Allan. Obras Póstumas, preâmbulo, RJ: Ed. FEB
[2] Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção, adotada pela Assembleia-Geral das Nações Unidas em 31 de outubro de 2003 foi assinada pelo Brasil em 9 de dezembro de 2003
[3] Kardec Allan. O Céu e o Inferno, RJ: Ed. FEB 1970
[4] Kardec Allan. Obras Póstumas, preâmbulo, RJ: Ed. FEB 1999
[5] Kardec, Allan. O Livro dos Espíritos, questão 919 RJ: Ed FEB 2000

30 março 2016

Doenças Mentais - Ricardo Di Bernardi


DOENÇAS MENTAIS

A questão das doenças mentais á luz do conhecimento espírita, está bem explicada na seguinte entrevista, via Internet, com o médico Dr. Ricardo di Bernardi, membro do Instituto de Cultura Espírita de Santa Catarina.

1 - O que são, e quais são as deficiências mentais?

RDB- São significativas dificuldades de desenvolver raciocínios, organizar idéias, manifestar sentimentos ou a aparente impossibilidade de expressar sentimentos e raciocínios. São inúmeras!!! Poderemos detalhar mais adiante.

2 - O que são e quais são os transtornos mentais?

RDB- Considero que são dificuldades súbitas ou secundárias a outros fatores, de expressar pensamentos e sentimentos. São inúmeros, dependendo da personalidade de cada pessoa, portanto, das peculiaridades de cada indivíduo.

3 - Qual a origem destes transtornos sob a ótica da medicina tradicional e sob a ótica espírita ?

Dr. Ricardo - Não consigo raciocinar nem entender as deficiências mentais ou transtornos sem incluir o raciocínio espírita , mas, poderia dizer que surgem quando um indivíduo sente-se agredido por um fator externo o qual bloqueia seu raciocínio ou sua sensibilidade psíquica. É muito comum que um fato tenha ocorrido muitos anos atrás, na infância por exemplo, e um fato novo ,muitas vezes simples e sem gravidade, seja associado, até inconscientemente, com fatos anteriores trazendo à tona questões antigas.

4 - Do ponto de vista espiritual, onde e quando se originam?

RDB- A origem é sempre espiritual, pois o cérebro não pensa, quem pensa é o espírito. O cérebro retransmite o que pensamos. O cérebro, também , não produz sentimentos, apenas reproduz sentimentos da alma. Nossos arquivos perispirituais contém registros de inúmeras encarnações que muitas vezes jazem adormecidos a espera do estímulo para serem corrigidos, burilados e reorganizados de forma equilibrada. Todo o raciocínio acima ,da medicina tradicional, é aceito pela visão espírita, apenas é ampliado pelo conhecimento do espírito. E, isto vale para todas as questões nesta área.

5 - Sob o ponto de vista médico e espírita, quais as causas ou origens das deficiências mentais?

RDB - Existem do ponto de vista médico:

- As que se manifestam pelo encontro de genes do pai e da mãe , genes que trazem determinação para defeitos ou doenças ;
- As que se manifestam por erros na separação ou distribuição de cromossomos no óvulo e ou espermatozóide;
- As congênitas ou seja as que aparentemente surgem por problemas durante a gestação como provocadas pela rubéola e outras doenças;
- As que se manifestam por traumas de parto, como por exemplo falta de oxigenação cerebral, determinando paralisia cerebral etc. 
- As adquiridas após o nascimento, ocasionadas por :

a) acidentes graves;
b) infecções que afetam o sistema nervoso central tipo encefalites e outras;
c) desequilíbrios hormonais como doenças da tireóide e outras,
d) intoxicações graves por venenos ,
e) Senilidade ou seja envelhecimento do sistema nervoso central .
f) Doenças Degenerativas do cérebro , como Alzeimer.
g) Acidentes Vasculares cerebrais ,AVC ( derrames, tromboses cerebrais ).
h) E muitas outras ...

Na visão espírita, o corpo espiritual, (corpo astral, psicossoma, perispírito...) traz , de outras encarnações, alterações energéticas ou desequilíbrios que vibram em uma determinada freqüência e ,por isto,sintonizam, favorecem, ou atraem estas situações de distúrbios mentais. Há , também, situações decorrentes da atual existência, assim: O espírito quando produz, constantemente, pensamentos ou expressa sentimentos de baixo nível ou seja , doentios, estes são veiculados pelo perispírito e manifestam-se no corpo gerando graves problemas e alterações no corpo físico modificando a expressão de idéias, pensamentos e sentimentos..

6 - Quais as finalidades ou objetivos espirituais das deficiências físicas e mentais? Débitos? Resgates?

As finalidades são, sempre, gerar benefícios, ou oportunidades de crescimento para o espírito.São conseqüências do automatismo da Lei Perfeita do Universo. Nunca são punições ou castigos. A LEI UNIVERSAL é automática. Deus é onipresente e, portanto, está dentro de nós. Quando o Mestre disse: "Vós sois deuses, Deus está em vós" , quis nos dizer : Deus não é um ser emocional e externo a nós, que tenha uma personalidade mutável... a Lei está escrita na nossa consciência , no nosso espírito. A LEI Universal ,não pune, não premia, não castiga e não perdoa, simplesmente é a LEI DE AMOR E JUSTIÇA... Como estamos mergulhados na Energia Divina, tudo que pensamos, sentimos ou fazemos retorna para nós, é a Lei de Ação e Reação. Automaticamente, há o retorno como há a liberdade em semear mas a obrigatoriedade ( automatismo) da colheita. No entanto, cabe-nos continuar a semear para colher ainda nesta vida melhoras importantes. Isto é o mais importante!

7 - Existe alguma deficiência mental e/ou física que não tenha causas espirituais ? Toda deficiência física e mental é decorrente da ação do espírito?

RDB -Somos espíritos encarnados, tudo que ocorre no corpo biológico decorre de fragilidades e tendências ( que podem ser amenizadas, tratadas ou evitadas ) do nosso corpo espiritual as quais, por sua vez, refletem as tendências e fragilidades da essência espiritual.Até mesmo acidentes ocorrem devido a predisposições espirituais do indivíduo. Predisposições não são fatos ou situações que são determinadas, repito, são tendências a serem evitadas ou tratadas. .Lembro que podem ser, também, predisposições ou atitudes do espírito tomadas na vida atual.

8 - Os transtornos mentais podem surgir subitamente em pessoas maduras?

RDB- Aparentemente sim, mas sabemos que os computadores do perispírito trazem não uma determinação mas uma fragilidade ou tendência neste sentido. A manifestação pode ser evitada conforme seu modo de vida ou conforme as atitudes desta pessoa ou poderão não ser evitadas conforme seu modo de agir nesta encarnação..

9 - As deficiências e ou transtornos mentais manifestam-se em estágios? É possível alguém ser portador de uma deficiência mental de manifestação tão sutil que permite o ser desfrutar de uma vida normal ? Elas podem ser hereditárias?Podem aparecer em fases da vida, de um momento para o outro? Quais os motivos?

RDB- Há uma autoprogramação nos nossos "computadores" perispirituais no sentido de que o indivíduo expresse uma tendência ou dificuldade na época mais adequada para a eliminação do corpo espiritual dessa deficiência.. Tudo que fizemos em vidas anteriores está nos nossos arquivos. somos constituídos de trilhões de núcleos de energia .Tudo que somos , inclusive as questões que ainda não superamos constituem-se em registros ou núcleos de energia. Tais núcleos pulsam, irradiam vibrações que partem da profundidade do nosso espírito e atingem nosso corpo. Como continuamos pensando e emitindo sentimentos, estamos refazendo nosso destino e portanto com pensamentos de amor e harmonia neutralizando alguns núcleos, higienizando outros ou mantendo-os, e até estimulando novos registros. Problemas eclodem em certas épocas da vida dependendo das tendências anteriores, e das atitudes atuais. Há também registros que se exteriorizam na faixa etária correspondente a mesma idade que ocorreram no passado.É a nova oportunidade de refazermos o que fizemos de forma equivocada.

10 - No âmbito do perispírito, como podemos entender as deficiências físicas e mentais? São sempre provas?

RDB- Não , são muitas vezes oportunidades que pedimos pra desenvolver novas habilidades, novas percepções ,novas sensibilidades. Um grande missionário entre cegos solicitou que antes deste trabalho pudesse reencarnar como cego para associar todo seu amor e sabedoria a experiência de, também, ter sido cego. Associar teoria, amor, sabedoria e vivência prática.

11 - Os processos obsessivos prolongados podem resultar em danos mentais permanentes?

Sim, podem. Lembremos, no entanto, que esta história tem antecedentes. Ninguém está sendo obsediado sem uma longa história anterior que precisa ser detalhada, conhecida , analisada com amor e sabedoria.

12 - Explique a síndrome de Down.

RDB- Dá um livro bem grande... São espíritos que estão,por amor, tendo uma oportunidade de drenarem algumas deficiências perispirituais para o novo corpo físico. Estão se libertando de deficiências no corpo espiritual através desta drenagem. 

Cada caso é um caso específico. Seus pais ou afins que convivem, tem um histórico que os une e uma oportunidade de crescimento. Nunca devemos pensar em castigo nem punição esta é uma idéia distorcida e de influência judaico-cristã medieval. 

Exemplificando na síndrome de Down Emoticon smileMongolismo) como o fenômeno ocorre: Um espírito possui lesões no corpo astral , ao sintonizar as suas vibrações com a psicosfera materna, e com o chakra genésico materno, o seu magnetismo perispiritual determina, automaticamente, que a ovulação se faça de forma patológica. 

O óvulo ao ser formado ao invés de conter 1 cromossomo de cada par, ( numero haplóide) levará um dos pares colados,( o par número 21 irá em número diplóide) não se separam na meiose ou seja no processo em que o óvulo divide cada par em sua metade (daí meio = meiose ) seus cromossomos. Antes de ser fecundado, este óvulo é envolvido pelas vibrações do espírito reencarnante refletindo o distúrbio perispiritual. 

As vibrações do óvulo , que correspondem as vibrações do espírito, atrairá o espermatozóide cujos genes estão na freqüência vibratória do merecimento ou necessidades evolutivas do espírito.Assim se oportuniza sejam drenadas os desequilíbrios energéticos para o corpo físico, visando libertar o corpo astral de campos energéticos ainda não harmonizados.

13 - Há sofrimento para o portador de deficiência física ou mental acentuada,que não pode usar o livre arbítrio e é dependente integral de terceiros, ?

RDB- Depende de cada espírito, não se pode generalizar um conceito para todos os casos. Na realidade , o que importa é que está sendo muito beneficiado. Alguns (não todos!) podem estar nesta condição para serem protegidos de grandes equipes de perseguidores espirituais que o deixavam desesperado, outros estão , por amor, se exercitando para outras vidas, outros ainda drenando defeitos do perispírito, e outros se propondo a auxiliar os pais a vencerem dificuldades etc...

14 - Os filhos de mães dependentes químicos podem ser afetados em sua gênese fisio-psíquica e apresentarem deficiência mental ao nascer?

RDB - Sim. Ambos estariam entrelaçados por provas e expiações comuns.

15 - Qual a situação do deficiente mental durante o sono físico? Seu espírito emancipa-se do corpo físico? Ele tem percepção de sua situação atual? Ele goza de lucidez? Mantém a deficiência mental ou liberta-se dela?

RDB - É variável. Às vezes é importante que ele fique preso ao corpo biológico para sua proteção dos obsessores, ás vezes se emancipa e retorna a consciência de seus conhecimentos, pois sua passagem aqui é para fins de experiência que solicitou. Às vezes é um espírito violento e, igualmente aos não-deficientes que são violentos, ao se libertar do corpo buscam companhias espirituais trevosas. Vejam , depende de cada caso. Não é possível generalizar.

16 - Os deficientes mentais comunicam-se com o mundo espiritual?

RDB - Sim. Pela emancipação da alma no sono, pela sintonia e influência dos protetores, pela sintonia e influência dos obsessores.

17 - Como ocorrem suas vivências espirituais e emocionais? Como é a percepção deles destes fenômenos?

RDB - Depende de cada caso. Alguns buscam ou são levados durante o sono às colônias de tratamento na espiritualidade, outros guardam percepções de encontros em outras regiões, outros ainda, registram no seu espírito-perispírito e cérebro novas intuições ou estímulos para despertar pensamentos e sentimentos.

18 - Ao desencarnar, o deficiente físico ou mental leva consigo, em seu perispírito, a deficiência experimentada na última existência?

RDB - A curto prazo, alguns sim, outros não.  A médio e longo prazo depende da mudança do padrão vibratório mental ou seja da natureza do seu pensamento e sentimento No seu futuro imediato ou longínquo, todos serão não-deficientes .

19 - Uma encarnação é suficiente para curar uma deficiência mental grave?

RDB - Depende da mudança íntima do espírito.

20 - Como entender a evolução do espírito perante a deficiência física e mental?

RDB- Cada indivíduo tem um histórico:

Em alguns, o desequilíbrio, conseqüência do passado, está sendo reequilibrado através da drenagem no corpo físico. É uma oportunidade, dada pela Lei de Amor ,para que o espírito não permaneça no estágio de desequilíbrio;

Para outros é como um momento de repouso mental visando aliviar suas angústias ou seu desespero.

21 - Nas famílias onde há portadores de deficiências físicas e mentais, é sempre prova para os pais de filhos portadores ou apenas para o reencarnante?

RDB- Geralmente todos ESTÃO envolvidos por um passado em comum. Lembro que este envolvimento pode ser, também, por amor, ou por se oferecerem pra auxiliar , mas não há o "acaso" simplesmente.

22 - Como podemos entender o caso de uma pessoa normal, que manifesta uma deficiência mental após ser vítima de um acidente, e fica tolhida do uso de seu livre arbítrio, já na idade adulta? Isto também é prova?

RDB- Já havia nos arquivos do seu corpo espiritual regiões em desarmonia que não foram trabalhadas e, permanecendo em baixa vibração, atraíram ou sintonizaram fatores ambientais que levaram ao acidente. Trata-se de uma conseqüência. Sempre será um aprendizado.

23 - O espírito que reencarnará com deficiência mental recebe antecipadamente auxílio daqueles que serão seus pais?

RDB- Alguns sim, se os pais tem condições. Outros tem pais que não possuem equilíbrio ou condições para tal, os protetores espirituais fazem este trabalho.

24 - Quais os aspectos do tratamento e da conduta do indivíduo que merecem maior ênfase, no caso dos transtornos mentais?

RDB- Disposição, na sua essência ,para Reforma Íntima.

25 - Existe algum processo fisiopsíquico que permita a restauração do psicossoma de um deficiente mental? Como funcionaria? 

RDB- Sim. Há casos de desencarnados que tratamos nas nossas sessões espíritas. Iniciamos esta restauração,( tive a ousadia de criar o verbete perispiritoplastia para este processo) A maioria deles continua o processo nos hospitais da espiritualidade.
Funciona pela impregnação perispiritual no enfermo de energias dos presentes, ectoplasma, energias da natureza e auxílio dos mentores espirituais.Não é infalível, não depende só de nós, sobretudo depende da fruta estar madura para ser colhida. Mas é preciso existir quem possa colhê-la .

26 - Quais as terapêuticas médica e espiritual indicada para o caso das deficiências mentais? E para os transtornos mentais?

RDB- Depende do cada tipo, melhor é associar várias frentes ou tratamento multidisciplinar com o espiritual.

Psicológico ( espírita melhor ainda )
Médico Homeopático
Médico Clínico
Médico Psiquiátrico
Sessões de Desobsessão
Tratamento e apoio aos familiares
Serviço Social de Caso e de Grupo com Assistente social
Educação
Educação Espírita
Reunião Semanal de Harmonização no Lar

27 - A terapêutica do passe pode auxiliar no tratamento de cura das deficiências mentais? E no caso dos transtornos mentais?

RDB- Sim, a transfusão de energias pode auxiliar em qualquer situação. Como sempre, depende de sintonia, ambiente adequado, conhecimento melhor do problema e dedicação.

28 - Quais as recomendações práticas, ao paciente e aos familiares, para lidar com as deficiências físicas e mentais e com os transtornos mentais?

RDB - Daria um livro bem grande... Resumindo: Amor.

29 - Qual a importância da convivência social para os portadores de deficiências mentais e transtornos mentais? (educação escolar, trabalho, esporte, etc.)

Aprendizado constante, exercício constante, renovação constante, oportunidade constante.

30 - A Casa Espírita, através da Doutrina Espírita poderia evangelizar os portadores de deficiência e/ou transtorno mentais?

RDB - Sim, porém, com trabalhos adequados e especializados.

Dr. Ricardo Di Benardi

 

29 março 2016

Desconstrução de si mesmos - Jane Maiolo


DESCONSTRUÇÃO DE SI MESMOS


Porque o que faço não o aprovo; pois o que quero isso não faço, mas o que aborreço isso faço. [1]

A reencarnação é um dos princípios básicos da Doutrina Espírita. Corresponde à idéia que formamos da aplicação das leis divinas para com os espíritos imperfeitos. Desta forma, a pluralidade das existências elucida cabalmente o destino dos seres de acordo com os ditames da lei de evolução e oferece os meios imprescindíveis para reparação dos desacertos através de várias experiências. Portanto, as múltiplas existências permite voltar a nascer noutro corpo físico para retificação das lições equivocadas de vidas passadas e experimentação de novas etapas provacionais.

Nosso atual estágio espiritual é resultado de longa trajetória evolutiva realizada ao longo dos milênios incontáveis. Nessa andança, construímos na base dos sentimentos os altares egóicos que obliteraram nossa visão e entendimento sobre o Criador, impedindo-nos “vê-LO” como Pai justo, amoroso e bom, deslembrados que Ele sempre estabeleceu o melhor para suas criaturas.

Edificando anseios perturbadores e viciados negligenciamos a demolição dos sentimentos malsãos e cristalizados ao longo da extensa caminhada. São emoções que nos escravizam, nos aflingem, nos trazem dor.

Desconstruir o egoísmo é a empreitada mais urgente e real que necessitamos empreender para o êxito da reencarnação. Mas o que é real?

Real é o conhecimento do plano de Deus em relação a nós. Tudo mais é irreal.

O Espiritismo nos oferece as ferramentas necessárias para que nosso planejamento espiritual possa ser cumprido. Na explicação dada à questão 909 de O Livro dos Espíritos identificamos que é chegado bem aquele momento de sinalizarmos nosso status: “Desculpe o transtorno, estamos em obra.” [2]

O desejo pela renovação é sempre salutar ainda mais quando notamos que os edifícios éticos da sociedade estão desabando, que as suntuosidades dos templos religiosos denotam ruinas morais, que as estruturas familiares estão abaladas nos seus alicerces mais essenciais. Estamos sob o impacto das fraquezas emocionais vulneráveis em face do futuro obscuro.

Talvez todos estejamos testando o nível da própria resiliência , isto é, estamos arrostando os desafios íntimos , a fim de vencermos obstáculos para não ceder à pressão, em qualquer situação, não obstante e paradoxalmente apresentamos sinais inequívocos de fragilidades emocionais e sacrifícios psíquicos.

O mal , que é o ilusório ,ainda não recuou das nossas atitudes e sentimentos porém “faz-se mister que o mal chegue ao excesso, para tornar compreensível a necessidade do bem e das reformas.” [3]

A renovação social bate as portas da humanidade e já diagnosticamos as causas reais de tanto sofrimento e desamor que não tem outra fonte senão o egoísmo e o orgulho. Entretanto diagnosticar a doença é fundamental, mas iniciar o processo de profilaxia é essencial para que a cura se estabeleça , para que o organismo vivo se torne sadio e pleno.

Todavia encontramos um ser humano frágil e temoroso frente as mudanças e há de se questionar: Por que tanta culpa? Por que tantas justificativas ingênuas?

Por que estais temerosos?[4] É o Cristo a questionar os discípulos em meio a tempestade. Acrescentando : “Há tanto tempo estou convosco, e tu não me tens conhecido?”[5]

Jesus , o Cristo de Deus é o modelo daquele que não desiste e nunca desistirá de nossa transformação para o bem.

Lembremos que em tempos de transição não significa que o mal aumentou, mas sim que estamos mais sensíveis ao sofrimento do outro, por isso nos incomodamos tanto com as injustiças, guerras, crimes contra a humanidade, e com o descaso com o ser humano. Refazer caminhos, sem atalhos, é lançar a mão á charrua e não olhar para trás. Seguir confiando que Ele está no leme da embarcação chamada Vida.

Não façamos o mal. É tempo de renovação, é hora de construir em nós mesmo a plataforma moral para edificarmos as lutas pela vitória final do Bem.

Por que te deténs?Aproveitemos o benefício da reencarnação e façamos o bem que queremos. Isso é o real!



Referências bibliográficas:

[1] Romanos 7:15
[2] KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos, questão nº909, Rio de Janeiro: Ed. FEB-2007,
[3]. KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos, questão nº 784, Rio de Janeiro: Ed. FEB-2007,
[4] Evangelho de Marcos 4:4
[5] Evangelho de João 14:9

28 março 2016

Brasil e seus momentos de decisão - André Luis Chiarini Villar


O BRASIL E SEUS MOMENTOS DE DECISÃO

Nessas últimas semanas, venho recebendo e-mails de amigos para que eu escrevesse algo a respeito do Brasil e as turbulências que o País vem passando, seja no âmbito social, político, econômico, enfim, em todos os segmentos.

Quando lemos e estudamos o extraordinário livro psicografado pelas mãos abençoadas de Chico Xavier, ditado pelo espírito Humberto de Campos – “Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho” – iremos notar a proposta que Nosso Senhor Jesus Cristo fez ao nosso abençoado País, propondo que as Terras de Santa Cruz recebessem a árvore do Cristianismo nos moldes do Cristianismo Primitivo.

Se lermos com atenção esse livro, vamos ver que é uma proposta feita por Jesus Cristo, cabendo a cada um de nós fazermos a parte que nos cabe. Quando falamos de “Brasil, Coração do Mundo”, é pela potencialidade que nós, os brasileiros, temos de receber os amigos e irmãos que nasceram em outros Países; e “Pátria do Evangelho”, porque mostra a importância dessa proposta – a de sermos o celeiro espiritual, tendo a dádiva de irradiarmos a luz do Evangelho de Jesus a todo o Planeta.

Não é à toa que o Brasil recebe o título de País com maior número de católicos de todo o Mundo; com maior número de evangélicos de todo o Mundo, e também recebe o título de ser a nação com maior numero de espíritas cristãos. Portanto, somos o País com maior numero de cristãos de todo o Mundo!

A Espiritualidade é um tema que nasce conosco, os brasileiros, porém estamos notando que precisamos novamente retornar aos trilhos do progresso espiritual e moral para realizar a proposta feita por Jesus. Estamos passando um momento difícil e delicado, seja pela nossa economia em baixa, seja pelo número do desemprego, que vem aumentando a cada dia, seja pelo custo de vida e inflação que oscilam. Fato é que vivemos esse momento delicado.

Não podemos também nos esquecer que a “Transição Planetária” vem ocorrendo. Muitos espíritos que estão desencarnado, nem aqui mais estão permanecendo, e os que ainda estão envolvendo a coletividade e influenciando a massa a continuar do jeito que está, esses estão agitados, procurando mínimas oportunidades de gerar o caos e a inércia espiritual.

Precisamos reagir. Nosso Senhor Jesus Cristo nos deixou uma advertência que serviu no passado, serve no presente e continuará a servir no futuro. Ele nos assevera: “Vigiai e orai para não cairdes em tentação”. Não podemos mais olvidar que os espíritos nos influenciam, e nós a eles; não podemos mais acreditar que não temos responsabilidade pelo momento político e social que estamos a passar.

Allan Kardec, nosso admirável Codificador, questiona a Espiritualidade Amiga em “O Livro dos Espíritos” sobre a influência dos espíritos em nossas vidas. E os Imortais, sob a direção do Espírito da Verdade, nos revelam que eles (os espíritos) nos influenciam mais do que imaginamos.

E mais: se o Brasil está passando por esse momento difícil, não podemos jogar tudo nas costas dos nossos políticos. É muito fácil legar aos outros as responsabilidades. Se analisarmos, nós também temos culpa, e diga-se de passagem muita culpa, pelo Brasil estar na situação em que está.

O Brasil só irá mudar e melhorar quando nós estivermos cientes do papel que devemos desenvolver. A partir dessa mudança, iremos eleger pessoas mais capacitadas para nos dirigir, tendo uma sociedade mais justa e igualitária. Mas para chegarmos nesse ponto, precisamos fazer o que nos compete, e não mais acreditar que a responsabilidade é sempre do outro.

Vamos à luta. Sem esforço não sairemos do lugar. Devemos sim reivindicar nossos direitos, mas sem esquecermos que também temos deveres; e não podemos cobrar dos outros o que ainda não fazemos. 

É hora de mudança em níveis coletivos, mas o coletivo só mudará quando o indivíduo fizer a parte que lhe compete.

Portanto, o Brasil será sim o “Coração do Mundo e a Pátria do Evangelho” quando fizermos a parte que nos cabe. Vamos orar mais e agir mais para termos um País melhor.

André Luis Chiarini Villar

27 março 2016

Quaresma e Jejum no Espiritismo - Osvaldo Ourive


QUARESMA E JEJUM NO ESPIRITISMO

Um amigo escreveu-nos, perguntando como nós espíritas nos comportamos no período de Quaresma, se também fazemos jejum como fazem algumas religiões.

O profundo respeito pelas religiões integra as diretrizes doutrinárias do Espiritismo, o que está de acordo com as disposições da nossa Constituição Federal. Com isto deixamos claro que vamos expor a posição da Doutrina Espírita em face do que nos foi perguntado, sem quaisquer laivos de críticas a esta ou aquela religião.

Quaresma é o período de 40 dias que vai da quarta-feira de cinzas até o domingo de Páscoa, sem inclusão dos domingos na contagem. Os religiosos que a reverenciam, católicos e anglicanos, praticam o jejum de carne no primeiro dia e na sexta-feira da paixão.

Segundo o dicionário de Aurélio os 40 dias são dedicados a penitências. O Site Wikipédia informa que, essencialmente, o período é um retiro espiritual voltado à reflexão, onde os religiosos se recolhem em oração e penitência para preparar o espírito para a acolhida do Cristo Vivo, Ressuscitado no Domingo de Páscoa.

O Espiritismo possui uma estrutura doutrinária própria, assenta-se num conjunto de princípios fundamentais e está exposto nas suas obras básicas e complementares. A sua prática não admite rituais, paramentos, ou utilização de símbolos e imagens. O seu culto é o interno, significando que o seu adepto deve realizar a autotransformação pelo esforço diuturno de domar as más inclinações, de abandonar vícios morais e materiais, adotando como código de conduta as regras morais reveladas por Jesus.

Na parábola do Bom Samaritano (Lc, 10:25-37) Jesus instrui um Doutor da Lei, que lhe pergunta sobre o que fazer para se ganhar a vida eterna. De forma resumida foi esta a resposta do Cristo: para ganhar a vida eterna vá e faça da mesma maneira como fez o Bom Samaritano.

O que fez o Bom Samaritano?

Consta da parábola que o mesmo praticou, por amor verdadeiro ao próximo, a caridade moral e material de maneira incondicional, completa, sem medir esforços, diante de um homem que fora encontrado meio morto, após assaltado e espancado.

Antes da atitude bondosa do Samaritano, um sacerdote e um levita (auxiliar do templo) passaram pelo homem caído e não lhe deram a mínima importância. Por quê? Possivelmente porque já haviam cumprido os deveres diários para com Deus nos rituais do Templo, porque eram insensíveis ante a dor alheia ou porque amar e ajudar o próximo não constituíssem atividades observadas por sua religião.

O Samaritano, homem comum da Samaria, foi justamente quem praticou a Lei Maior: “amar o próximo como a si mesmo”, que, segundo Jesus, é equivalente a “amar a Deus sobre todas as coisas”.

Portanto Jesus propõe que para se alcançar a felicidade e a plenitude da paz o homem deve praticar o amor e a caridade em toda sua extensão, que são antídotos irresistíveis no combate às deficiências morais, como egoísmo, orgulho, vaidade, ódio, ambição, ou por outra, deve fazer jejum (abster-se) desses vícios que são os reais causadores das desgraças da Terra. Este deve ser o sentido verdadeiro de Jejum e, não, o de abster-se da ingestão de carne porque, em outra passagem do Evangelho, Jesus ensina:

“Não é o que entra pela boca que torna o homem impuro. O que sai da boca do homem é que o macula. O que sai da boca procede do coração e é o que torna impuro o homem: porquanto do coração é que partem os maus pensamentos, os assassínios, os adultérios, as fornicações, os latrocínios, as maledicências...” (Mt. 15:1-20).

O esforço de combate às más tendências deve se estender por todos os dias, semanas e meses do ano. “Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que emprega para domar suas inclinações más”. (Allan Kardec, Evangelho Segundo o Espiritismo – Cap. XVII, item 4).

Quanto ao consumo de carne, a Doutrina Espírita prescreve que em nosso atual estágio, a carne alimenta a carne, e que o homem tem necessidade de alimentar-se conforme reclame a sua organização (Questão 723, do Livro dos Espíritos), mas sem necessidade de abusar desse direito (Questão 734, Idem).

Entendemos que, com o progresso moral, a humanidade chegará a um ponto em que não terá mais necessidade de alimentar-se dos invólucros carnais dos animais, não só por amor a eles, como porque a tecnologia lhe oferecerá sucedâneos adequados à sua organização física. Alguém inclusive já disse, e com muito acerto, que “o homem não se torna bom porque deixa de comer carne, mas quando ele se torna bom, deixa naturalmente de ingeri-la”.

Osvaldo Ourive

26 março 2016

As almas ou espíritos não têm "sexo" - Jorge Hessen


AS ALMAS OU ESPÍRITOS NÃO TÊM “SEXO”


Isso mesmo! As almas ou Espíritos não têm “sexo”. Os sexos só existem no organismo para a reprodução dos corpos físicos. Mas os Espíritos não se reproduzem no além, razão pela qual órgãos sexuais são inúteis no “ultra tumba”. Eis aí um tema um tanto quanto instigante. Todavia, após leitura atenta e uma boa compreensão do texto abaixo, será possível a assimilação de juízos e aprendizado.

Aos 2 anos de idade, Tyler, que nasceu menina, disse com todas as palavras para seus pais: “eu sou menino”. Entretanto seus pais insistiram com ele que não. Mostraram fotos do órgão sexual e argumentaram que ela havia nascido com corpo de menina. Tyler respondia: “quando vocês me mudaram?”. Dois anos depois, um psicólogo confirmou a condição: Tyler sofria mesmo de Transtorno de Identidade de Gênero, e recomendou que os pais começassem a tratar a criança como um menino. A “filha”, então, passou a ser carinhosamente tratada como menino.

Há 8 anos o ator Brad Pitt revelou para a entrevistadora Oprah Winfrey que Shiloh, a primeira de seus três filhos biológicos com Angelina Jolie, só queria ser chamada de John. Em 2014, Shiloh, com 10 anos, apresentou-se de terno e gravata à cerimônia de estreia de um filme dirigido por Angelina Jolie. Será que os atores estão certos em apoiar o comportamento da filha? Deveriam desestimulá-lo? O que eles fazem ou deixam de fazer afetará o futuro de Shiloh?

Há escassíssima informação científica para orientar pais em situação como a do casal Pitt e Jolie. Do ponto de vista da psicóloga Kristina Olson, da Universidade de Washington, as 32 crianças transgêneros (entre 5 e 12 anos), que foram submetidas ao Teste de Associação Implícita para medir a velocidade com que associavam aspectos de gênero masculino e feminino à própria identidade, mostraram uma identificação tão automática com o gênero que escolheram quanto as crianças cisgênero. Embora sejam necessários mais estudos, Kristina afirma que as crianças trans não são confusas, rebeldes nem estão simplesmente fingindo ser o que não são. A identidade que cultivam está bastante arraigada nelas. [1]

A transexualidade é um assunto muito polêmico, e menos discutido do que deveria. Talvez por isso não se compreenda exatamente do que se trata, e essa condição seja motivo de tantos casos de preconceito. Consagradamente transexual é a pessoa que nasceu com um determinado sexo, mas não se identifica com ele. E esse transtorno mental e de comportamento leva tal indivíduo a procurar tratamentos hormonais e até fazer cirurgias para mudar o corpo.

Uma pessoa pode ser cisgênero ou transgênero. O cisgênero se identifica com o gênero correspondente ao sexo biológico, ou seja, se possui órgão sexual feminino é uma menina, se possui órgão sexual masculino é um menino. É o que todo mundo considera regra. Já o transgênero é a pessoa que contesta essa regra, que não tem seu gênero definido pelo sexo biológico. Uma pessoa transexual se identifica com o gênero oposto ao sexo com que nasceu. O transexual é transgênero, mas nem todo transgênero é transexual.

Um estudo recente realizado pela Universidade de Washington, nos Estados Unidos, publicado pela revista Psychological Science, concluiu que as crianças transgênero começam a reivindicar um gênero diferente, ao mesmo tempo que as crianças cisgênero se identificam com o gênero correspondente ao sexo biológico, por volta dos 2 anos. É como se a criança olhasse no espelho e não se reconhecesse. É uma expectativa constante de que ela vá acordar no corpo certo.

A partir de 2013, a justiça alemã garantiu aos pais de recém-nascidos transgêneros três opções para registrar seus filhos: “masculino”, “feminino” e “indefinido”. [2] Quando existe uma criança transgênero na família, talvez seja importante a procura por apoio moral e psicológico para lidar com esse momento desafiador e estabelecer um canal aberto de comunicação entre os familiares. 

Por isso, a ajuda de profissionais como pedagogos e psicólogos é oportuna. Mas, na hora de procurar auxílio, é muito importante que tais especialistas entendam sobre identidades transexuais, para que o caso não seja tratado como uma doença, o que de fato não é. O profissional também ajudará a criança a lidar com os preconceitos que ela enfrentará no transcurso da vida.

A sociedade dará sinais de avanço quando compreender que o ser humano não se reduz à morfologia de “macho” ou “fêmea”. O Espírito Emmanuel adverte que “encontramo-nos diante do fenômeno “transexualidade”, perfeitamente compreensível à luz da reencarnação. Inobstante as características morfológicas, o Espírito reencarnado, em trânsito no corpo físico, é essencialmente superior ao simples gênero masculino ou feminino. Aprenderemos, gradualmente, a compreender que os conceitos de normalidade e de anormalidade deixam a desejar quando se trate simplesmente de sinais morfológicos, para se erguerem como agentes mais elevados de definição da dignidade humana, de vez que a individualidade em si exalta a vida comunitária pelo próprio comportamento na sustentação do bem de todos ou a deprime pelo mal que causa com a parte que assume no jogo da delinquência.” [3]

Para os Mensageiros do além, “as características sexuais dos Espíritos fogem do entendimento humano, até porque são os mesmos os Espíritos que animam os corpos de homens e mulheres. Para o Espírito, (re)encarnar no corpo masculino ou feminino [ou sexualmente “indefinido”] pouco lhe importa. O que o guia na escolha são as provas por que haja de passar.” [4] Os Espíritos encarnam como homens ou como mulheres, porque não têm sexo. 

“Visto que lhes cumpre progredir em tudo, cada sexo [experiência masculina ou feminina], como cada posição social, lhes proporciona provações e deveres especiais e, com isso, ensejo de ganharem experiência. Aquele que só como homem [ou mulher] encarnasse só saberia o que sabem os homens e ou as mulheres.” [5]

É urgente amparo educativo adequado, tanto quanto se administra instrução à maioria heterossexual. E para que isso se verifique em linhas de justiça e compreensão, caminha o mundo de hoje para mais alto entendimento dos problemas do amor e do sexo, porquanto, à frente da vida eterna “os erros e acertos dos irmãos de qualquer procedência, nos domínios do sexo e do amor, são analisados pelo mesmo elevado gabarito de Justiça e Misericórdia. Isso porque todos os assuntos nessa área da evolução e da vida se especificam na intimidade da consciência de cada um.” [6]

Jorge Hessen


Referências bibliográficas:




[3] Xavier, Francisco Cândido. Vida e Sexo, Rio de Janeiro: Ed. FEB, 1997, Cap. Homossexualidade.

[4] Kardec, Allan. O Livro dos Espíritos, Parte 2ª – Capítulo IV – DA PLURALIDADE DAS EXISTÊNCIAS – Sexo nos Espíritos, questões 200, 201 e 202.

[5] Idem

[6] Xavier, Francisco Cândido. Vida e Sexo, Rio de Janeiro: Ed. FEB, 1997, Cap. Homossexualidade.

25 março 2016

Amor à primeira vista - Richard Simonetti


AMOR À PRIMEIRA VISTA

1- Existe o amor à primeira vista?


Salvo em circunstâncias especiais, de almas afins, que se reencontram para gloriosas experiências em comum, o amor não é uma aquisição "à vista". Melhor que seja uma realização "a prazo", desenvolvido e sustentado em longos anos de experiência em comum. 

2- Mas não é freqüente as pessoas dizerem que logo no primeiro contato encontraram o homem ou a mulher de suas vidas?


É possível, mas também muitos viram o parceiro de sua vida transformar-se em tormento dela, culminando com a separação.

3- Estavam equivocados?


Talvez existisse uma ligação efetiva, fruto de experiências em comum no pretérito. Vieram para consolidá-la, mas a relação deteriorou-se com o tempo.


4- Por isso costuma-se dizer que com o amor passamos o tempo e com o tempo passa o amor?

O que passa é a paixão, o amor-desejo, o amor-deslumbramento. Alguns quilos de sal consumidos em comum e as pessoas começam a sentir que o parceiro não é tão desejável e nada deslumbrante.

5- O que seria, então, o verdadeiro amor?


Lembro-me da série famosa de publicações ilustradas, sob o título "Amar é...", envolvendo manifestações de afeto recíprocas. Do homem para a mulher: Amar é conversar com ela; amar é entender seus momentos difíceis; amar é lembrar de seu aniversário; amar é acompanhá-la ao médico; amar é dar-lhe um descanso na cozinha... São incontáveis as situações em que se enfatiza algo que o amante faz pela amada ou vice-versa. Amar é isso - querer o bem de alguém.

6- Mesmo esse amor não se desgasta com o tempo?


Depende das pessoas. O amor é como uma planta que se não for bem cuidada morre. Muitos casais, unidos por legítimos laços de afetividade, acabam vendo o amor fenecer por falta de cuidado e atenção.

7- Por que isso acontece?


Porque as pessoas se envolvem muito com seus negócios, seus interesses pessoais, suas paixões, e não deixam espaço para cultivar o amor.


8- Não são as dificuldades de relacionamento que acabam por provocar as tormentas do amor? 

As pessoas se amam muito mas, de repente, descobrem que são muito diferentes.

O homem e a mulher se completam justamente porque são diferentes. Pretender que tenham identidade plena de interesses e aptidões seria contrariar a própria biologia. Se o amor for bem cultivado, com os defensivos da compreensão, do respeito e da tolerância, não haverá espaço para as ervas daninhas do desenvolvimento, que matam o amor.


Richard Simonetti

24 março 2016

Pompas e Rituais - Cairbar Schutel


POMPAS E RITUAIS

Dizendo-se herdeiro do Cristianismo, o Catolicismo Romano, ao longo dos séculos, vem adulterando sistematicamente os pensamentos e lições de Jesus, descaracterizando a Sua mensagem consoladora e de renovação moral, capaz de libertar o Homem das cadeias da imperfeição que ainda carrega, direcionando-a, através de pompas e rituais superficiais, com vagas promessas que permitem alcançar o Reino dos Céus, através de arrependimentos apressados, missas encomendadas para o corpo inanimado de carne ou bençãos inócuas, supostamente capazes de derrogar as Soberanas Leis de Deus, como se a vida não tivesse prosseguimento apos a desintegração da matéria, e o ser pensante que ali habitara estivesse isento da prestação de contas diante da Consciência Divina.

Os parâmentos ritualísticos, as oblatas e preces votivas, os mantras ritmicos, fazem parte da pompa exterior, substituindo as reflexões meditadas, as rogativas sinceras, o arrependimento consciente e a decisão de mudar o comportamento equivocado em busca dos novos paradigmas, vivenciados pelos apóstolos e novos discípulos.

Dificilmente qualquer individuo que se diga discípulo do Cristo, dotado de bom-senso e discernimento, reconhecerá nas Igrejas e Templos Católicos da atualidade, qualquer vestigio do Cristianismo dos primeiros dias, sendo, também, necessário muito esforço e boa-vontade para enxergar no Clero e Bispado de agora, os "pastores das almas" que existia no núcleo dos pescadores arrebanhados por Jesus.

O consolo e a abnegação, a afabilidade e a renúncia, a fraternidade e a resignação, a compaixão e a misericórdia, a autodoação e a solidariedade e a caridade e o amor, não são palavras vazias de significado; são posturas que exigem ação, energia, dinamismo, resgatando sentimentos plenos de sentido, dando universalidade aos ensinamentos de Jesus, mostrando a intemporalidade de suas lições que, tendo ultrapassado dois milênios, continuam atuais e necessárias para a Humanidade.

O Espiritismo, que procura muito apropriadamente reviver o Cristianismo, dilatando sua compreensão em novas interpretações, não deve distanciar-se da simplicidade para não perder a humildade e a autenticidade da proposta de Jesus. E os espiritas tem diante de si uma imensa responsabilidade e um grande desafio: avançar "pari-passu" com a Ciência, incorporando o conteúdo do conhecimento psicológico atual nos limites da Filosofia, sem perder a essencia imanente da Religião, honrando e dignificando uma Doutrina enviada por plêiade de Espiritos Nobres, sob a terna e amorosa vigilância de Jesus, com o objetivo de elevar o Homem espiritualmente, transformando-o em construtor do seu próprio destino, por opção eletiva, rumo ao seu fanal, que é o Supremo Bem.

Cairbar Schutel

23 março 2016

Chantagem Emocional - Albino da Santa Cruz


CHANTAGEM EMOCIONAL

O amor de Deus que se estende sobre toda a sua Criação assinalou o homem com uma peculiaridade a mais entre os seres criados, dotando-o da capacidade de amar e ser amado, não-somente por impulsos atávicos, mas por livre iniciativa de suas próprias escolhas.

Nesse sentido, embora sofra as influências naturais da atração, obedecendo ao mecanismo de preservação da espécie, o homem procura deliberar como, quando e com quem irá unir-se para atender as necessidades de dar e receber amor, em uma permuta energética que lhe assegureuma harmonia intima e, por consequência, uma relação equilibrada com o mundo exterior.

No entanto, ao longo de suas múltiplas existências, em virtude das experiências acumuladas na área dos sentimentos, através de relacionamentos negativos e infelizes, causadores de grandes sofrimentos, a criatura desenvolve mecanismos internos de defesa, muitas vezes inconscientemente, para não sofrer, novamente, camuflando os seus reais sentimentos. Entre esses mecanismos destaca-se a chantagem emocional, como um comportamento tipico de camuflagem de sentimentos, no qual o egoismo exacerbado, mais interessado na posse e conquista do que na permuta afetuosa, quando um dos coadjuvantes da relação equipa-se de truques e artificios, que vão desde as clássicas cefaléias, mal-estares súbitos e vertigens até os choros e lágrimas, para finalmente culminar nos desmaios, no intuito de manter o outro aprisionado a um convivio mais frequente, não porque ama, e sim porque sente-se feliz exercendo o papel de dominação com exigências descabidas.

Normalmente, quem usa da chantagem emocional para exercer dominação e controle sobre alguém, é uma criatura enferma das emoções, insegura e com complexo de rejeição, que a si mesma não ama, e por consequência encontra muita dificuldade para amar e dedicar-se ao próximo de forma equilibrada e serena, sem os arroubos e cobranças exageradas, tipicos das paixões que muitas vezes são confundidas com o amor.

Todo chantagista emocional costuma ser muito bem sucedido em qualquer campo em que se envolva profissionalmente; entretanto revela-se um desastre em qualquer área na esfera dos sentimentos e das emoções, por não ter clareza nos limites entre as cobranças que faz e o respeito que deve ao próximo.

Jesus, quando se reporta ao amor, que todos devemos ter para com nossos semelhantes, estabelece como medida: "Não faças a outrem o que não gostarias que a ti fizessem", estatuindo um roteiro de conduta para todos quantos alimentem dúvidas nos relacionamentos afetivos em que estão envolvidos.

Cabe a cada um analisar-se, procurando controlar-se emocionalmente, evitando as exigências descabidas, relevando as pequenas decepções e deslizes, aprendendo a investir na paz e na harmonia, tanto no seu mundo íntimo quanto no mundo à sua volta.

Albino da Santa Cruz

22 março 2016

Dívidas Cármicas (Visão Espírita) - Ricardo Di Bernard


DÍVIDAS CÁRMICAS - VISÃO ESPÍRITA

Inicialmente, lembramos que ao cometermos um "erro", estamos - pelo exercício do nosso livre arbítrio, agindo de forma contrária a Lei da Harmonia do Universo, ou seja, a Lei de Deus. Ao agirmos dessa forma, criamos, em nós mesmos, campos de energias desorganizados, ou seja, fluidos desarmonizantes que necessitarão serem removidos ou reequilibrados em nossa estrutura perispiritual.

Ao contrário do que nós imaginávamos, quando éramos principiantes no estudo da Doutrina Espírita, não há a necessidade de "pagarmos" as dívidas adquiridas pelos erros cometidos com a moeda do sofrimento ou da dor. Há, sempre, a oportunidade para saldarmos a nossa dívida com a Lei Maior do Universo com a moeda do trabalho e do amor ao próximo.

Lembro-me de um emocionante depoimento de um Espírito ao retornar ao mundo extrafísico. Tratava-se de um senhor idoso que, desencarnando aos 98 anos de idade, lá foi recebido com muita festa, alegria, flores e luzes que o envolviam no mundo espiritual. Surpreendentemente, o referido senhor tomado de profunda emoção, entre lágrimas, assim se expressou:

- Amigos, há um engano, eu não sou digno dessa linda recepção, vocês não sabem? - Não sabem que eu sou um assassino? - Ao que respondeu, delicadamente, um dos espíritos amparadores que o recepcionava.

- Querido amigo, todos nós conhecemos a sua história, você não é um assassino. Você, aos 18 anos de idade, para defender a sua namorada, matou um jovem que estava tentando abusar dela. Depois disso, casou, tornou-se um excelente marido, pai presente e atuante, avô amoroso e um bisavô exemplar. A frente de suas empresas, você proporcionou o mais digno ambiente de trabalho aos seus empregados. No meio social sempre deu o melhor dos exemplos de solidariedade, compreensão e afetividade.

O idoso senhor ao escutar o relato do Ser de Luz que o recebia, colocou:

- Mas, eu não devo pagar pelo que fiz? Afinal... Eu dei um tiro no coração, matei aquele jovem...

- Você já pagou a dívida que contraiu com a Lei da natureza, que é a Lei de Deus. Seu trabalho dos 18 aos 98 anos, e seu amor ao próximo reconstruíram as energias desequilibradas que você gerou em si mesmo.

- Mas... Eu não devo pagar, sofrendo, pelo que eu fiz?

- Você já pagou a sua dívida com a Lei de Amor do Universo, e a saldou com a moeda do amor e do labor, não é necessário que venha a pagar com a moeda da dor.

- Mas, aquele que eu matei... Eu sei que em outra vida, talvez já na próxima vida eu tenha de me encontrar com ele. O que irá acontecer?

- Querido amigo! Aqueles, como você, que já conquistaram valores éticos e espirituais também tem a necessidade de reencontrar os que feriram no passado, e esse encontro será, agora, muito mais proveitoso. Você, após um precioso estágio no nosso plano, aprimorará ainda mais seu conhecimento e sua ética, renascerá na Terra e lá reencontrando o seu amor, ou seja, aquela que foi sua esposa na vida atual - ambos serão pais daquele jovem.

- Ele, então... Será nosso filho?

- Sim, um filho único e difícil, necessitará ser muito amado. Ele herdará todos seus bens, que serão dados a ele com amor, pois esse jovem estará na veste de seu filho. Porém, o maior em que você, meu querido amigo, legará a ele será o seu exemplo, sua educação, seus valores éticos. Você já conquistou esse direito, continuará pagando, saldando sua dívida com a moeda do amor e do labor...

Por Ricardo Di Bernardi
Médico Homeopata

21 março 2016

Apocalipse (Pinga-fogo) - Richard Simonetti

 
APOCALIPSE

1 – Que significa o termo apocalipse?

Vem do grego apokálypsis. Significa revelação. Há vários apocalipses no Velho Testamento. O mais conhecido é o último livro do Novo Testamento, atribuído a João Evangelista. Trata de acontecimentos relacionados com o final dos tempos, com revelações que o apóstolo teria obtido por meio de visões. 

2 – Estudiosos dizem que há ali a revelação de grandes hecatombes e guerras que dizimarão a Humanidade neste milênio. O Mundo vai acabar?

Certamente, sim, mas vai demorar um pouco… perto de seis bilhões de anos, quando o Sol agonizar. Em seus estertores crescerá desmesuradamente, engolindo os planetas de nosso sistema. Até lá Deus arranjará outro lugar para morarmos.

3 – João fala de um final dos tempos marcados por fogo. Não seria uma referência a uma hecatombe nuclear?

As previsões de João são muito nebulosas, simbólicas, ao gosto de cada intérprete, de tal maneira que podemos situá-las em variadas épocas da História. Alguns exegetas, talvez mais acertadamente, concebem que João reportava-se a eventos de seu tempo, quando os romanos, sob o comando do general Tito, incendiaram Jerusalém, não deixando pedra sobre pedra, promovendo a dispersão dos judeus, a chamada diáspora.

4 – Como podemos encarar o assunto, à luz do Espiritismo?

A Doutrina é bem clara ao nos alertar quanto à separação do joio e do trigo, os bodes das ovelhas, a que se referia Jesus, com a promoção de nosso planeta, na sociedade dos mundos. Deixaremos a condição de planeta de provas e expiações, onde o egoísmo predominante gera os males humanos, para planeta de regeneração, em que consciências despertas para os objetivos da existência elegerão os serviços do Bem por norma de conduta.

5 – Pela conturbação atual, com o clima de violência que se instala na sociedade humana, podemos dizer que é chegado o momento dessa separação, a fim de que os justos não sejam esmagados pelos injustos?

Considerando a afirmativa de Jesus, no Sermão da Montanha, Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a Terra, seria complicado operar essa separação agora. Certamente nosso planeta ficaria semi-deserto, porquanto raros venceram a agressividade inerente ao comportamento humano.

6 – E como fica a previsão que os Espíritos Superiores fazem com relação à civilização cristianizada que deverá estabelecer-se na Terra neste milênio?

Como dizia Chico Xavier, um milênio tem mil anos. Temos muito tempo pela frente, até que ocorra essa realização grandiosa, com a adesão humana aos princípios do Evangelho. Deus não tem pressa.

7 – Com o desenvolvimento dos recursos tecnológicos, no terreno bélico, não demorará muito tempo e estaremos mergulhados num conflito atômico, de conseqüências devastadoras. Não estaria aí o apocalipse, promovendo a morte de considerável parcela da Humanidade, para que ocorra o grande expurgo?

Há uma tendência de imaginar que o Reino de Deus será precedido por hecatombes naturais ou provocadas pelo homem, dizimando grande parcela da Humanidade. Não há necessidade de nada disso. 

Quando chegar a hora, quando os poderes que nos governam considerarem que há suficiente número de habitantes que conquistaram a mansuetude, o expurgo será feito naturalmente, atendendo aos ditames da Natureza. Ela nos transfere, inelutavelmente, para o mundo espiritual, a cada experiência reencarnatória, dentro de limites que normalmente não ultrapassam os cem anos. Isso significa que em um século será completado o expurgo, quando chegar a hora, sem violência.

8 – O que pode ser feito para tornar mais rápido o processo de transformação da Humanidade, com a edificação de uma sociedade melhor, um mundo de mansuetude?

Combater o materialismo, não apenas a convicção materialista, exercitada por uma minoria, mas a pior forma, que é o comportamento materialista, exercitado por multidões que dizem acreditar em Deus e na sobrevivência da alma, mas de forma superficial, que não se reflete em seu comportamento. Enquanto as pessoas não tiverem convicção de que a vida continua e de que colheremos, inexoravelmente, as conseqüências de nossas ações, após a morte, o mundo continuará agitado como o vemos. Nesse aspecto, a Doutrina Espírita é a grande benção, descerrando a cortina que separa o plano físico do espiritual, conscientizando-nos de nossas responsabilidades, ante a certeza da vida que não acaba nunca e onde nunca está ausente a justiça de Deus.